X

Receba nossa programação por email

RECEBA NOSSOS INFORMATIVOS:

Confins se prepara para receber sócio privado

29 agosto 2013

VALOR

Prestes a ter a participação da iniciativa privada em suas operações, o Aeroporto Internacional Tancredo Neves (Confins) vem realizando obras para expandir sua atual área útil dos atuais 60.305 m2 para 67.675 m2, o que vai ampliar o número de balcões de check-in e de opções de alimentação no aeroporto. Em fevereiro deste ano foram iniciadas as obras de reforma e ampliação da pista de pouso e decolagem.

“Estamos empenhados na execução do cronograma das obras de ampliação e modernização do o aeroporto, de forma a proporcionar mais conforto aos usuários”, diz a superintendente de Confins, Maria Edwirges Madeira. Este ano, a previsão é de um movimento de 10,3 milhões de passageiro. Para 2014, a previsão é de 14 milhões de embarques e desembarques, quando Confins estará com uma capacidade para atender um fluxo de 15,6 milhões de pessoas. Ano passado, o movimento de cargas do aeroporto foi da ordem de 19 mil toneladas.

Pelo desenho do leilão de concessão de Confins feito pelo governo federal, os grupos de consórcio terão de oferecer um valor mínimo por meio de outorga de R$ 1,56 bilhão, por 30 anos. Nesse período, o concessionário terá ainda de desembolsar R$ 3,5 bilhões para melhorias e a construção de um novo terminal de passageiros com 14 pontes de embarque, além de uma segunda pista independente, até 2020. O consórcio vai ter 51% de participação. Os demais 49% seguirão com a Infraero. O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) vai financiar até 70% dos investimentos do grupo concessionário. O leilão está previsto para outubro e o edital, deve ser publicado em setembro.

No período de concessão, o volume de passageiros deve aumentar 294%. As intervenções deverão ser feitas paralelamente ao crescimento no número de passageiros. O primeiro terminal tem que estar concluído até abril de 2016 e o segundo será iniciado a partir do décimo ano de contrato. Será preciso ainda ampliar o pátio de aeronaves, construir estacionamentos, incluindo um edifício-garagem, e prédios de apoio à aviação geral.

Uma das exigências é que a partir da concessão, no máximo 5% dos passageiros aguardem mais do que dez minutos na fila de inspeção de segurança. O tempo de espera na fila de check-in e despacho de bagagem não poderá superar 20 minutos, no horário de pico em voos nacionais. Além disso, há ainda a exigência de que 65% dos passageiros de voos domésticos terão de embarcar pelo sistema de ponte. O restante poderá usar o modelo remoto, feito por meio de ônibus.

Até a execução dos planos dos novos operadores, o terminal de Confins vai ter uma área de 5,4 mil m2, com infraestrutura adequada e suficiente para expansão da capacidade operacional do aeroporto em 3,9 milhões de passageiros por ano. Cerca de 23% da intervenção nos terminais de passageiros já foram concluídos, segundo a Infraero. A previsão é de término em abril de 2014, antes do início da Copa do Mundo. Os investimentos são de R$ 236,65 milhões.

Apesar disso, ano passado, a Infraero fez duas tentativas para contratar as obras de um terminal de passageiros, mas ambas fracassadas. As empresas que participaram da licitação ofereceram propostas superiores ao valor de referência do projeto. Este ano, por conta do anúncio do leilão de concessão de Confins para a iniciativa privada, a Infraero optou por licitar um terminal de menor porte, de forma a não prejudicar o planejamento do futuro concessionário.

Em maio deste ano, porém, não houve novamente interessados na licitação para contratação das obras do terminal remoto. Assim, a Infraero para não atrasar as obras previstas para serem anteriores à concessão, vai fazer a contratação da empresa para realizar a obra do terminal remoto por via direta. Ou seja, por meio da dispensa de licitação, procedimento permitido pela legislação, no caso de sucessivas licitações fracassadas.

As obras que estão sendo realizadas para reforma e ampliação da pista de pouso e decolagem vão fazer com que ela passe dos atuais 3 mil metros para 3,6 mil metros. O pátio de aeronaves vai triplicar de tamanho, passando de 113.345 m2 para 369.384 m2. (CEC)

Participe do 4ª Conferência Nacional Concessões de Aeroportos

Data: 25/10/2013

+ informações

Receba mais informações sobre o seminário.