X

Receba nossa programação por email

RECEBA NOSSOS INFORMATIVOS:

Gestores em Fortaleza foram qualificados por SEP e Porto da Antuérpia em 2014

16 setembro 2014

PORTOS E NAVIOS

A Secretaria de Portos da Presidência da República (SEP/PR) e o Centro de Treinamento do Porto de Antuérpia (APEC) realizaram esta semana, em Fortaleza, o III Seminário de Capacitação dos Profissionais de Administração e Gestão dos Portos Brasileiros, na sede da Companhia Docas do Ceará (CDC).

A iniciativa faz parte das ações desenvolvidas pela SEP/PR com o objetivo de capacitar os gestores do setor portuário brasileiro. Os temas, durante os cinco dias, foram gestão portuária; serviços portuários; aspectos comerciais do porto; aspectos financeiros do porto; infraestrutura, obras portuárias e navegação interior. As palestras foram ministradas pelos especialistas belgas Walter Van Mulders, Jef Van Rossum e Alex Van Breedam.

Durante o encerramento, o diretor-presidente da CDC, Mário Jorge, agradeceu a comitiva, os participantes e ressaltou o conhecimento de alto nível adquirido durante a semana, que deverá ser aplicado no cotidiano e na solução dos problemas. “A troca de experiências é o mais interessante nesse tipo de evento, foi uma honra para Docas do Ceará fazer parte desse roteiro do seminário”, afirmou Mário.

“Nós da Antuérpia trouxemos informações, mas também levaremos a troca de experiências. As perguntas e os debates que tivemos aqui foram muito enriquecedores para nós”, concluiu Mulders.

O seminário já foi realizado nos portos de Santos e Vitória. O projeto se estenderá, ainda, aos portos de Paranaguá, Salvador e Belém, e estão programados para ocorrer no Brasil até 2015.

Meio ambiente

O especialista em marketing do Porto da Antuérpia, Alex Van Breedam, ministrou as palestras Desempenho da Autoridade Portuária no modelo Land Lord Port e Monitoramento Ambiental. “O porto é como um organismo vivo. É necessário ter contato com a comunidade local, com as empresas privadas e com os entes públicos. O diálogo é peça essencial para o desenvolvimento eficiente em um porto”, salientou.

Para debater a questão ambiental, Breedam ressaltou a importância da utilização de energias naturais. “No porto da Antuérpia usamos a energia solar e estamos testando a energia eólica. Temos um departamento eólico no porto. O nosso objetivo é sempre buscar o menor consumo de energia”, frisou.

Breedam lembrou também da importância em se conhecer e utilizar corretamente os indicadores de fenômenos naturais, como o entendimento correto dos dados das marés para o processo de dragagem. “O estudo das marés nos deu dados diários para adequar da maneira correta a velocidade na entrada do porto para atracação, de acordo com o modelo do navio”, explicou.

Um grupo coordenado pela autoridade portuária na Antuérpia mantém diálogo frequente com os investidores comerciais, empresas privadas, trabalhadores e comunidade local. “Os indicadores que surgem dessas reuniões são essenciais para uma avaliação correta do perfil do porto para o público e o setor privado”, disse.

Resíduos Sólidos

Na Antuérpia há uma sequência diária de ações obrigatórias para os navios com o objetivo de administrar corretamente a coleta e reciclagem dos resíduos sólidos. O navio informa por um sistema online que resíduo ele está carregando, como óleo, sedimentos, lixo líquido etc. Ele é direcionando para a estação coletora correta onde o resíduo é coletado e reciclado. “Então, podemos afirmar que temos um sistema bom. Precisa de melhorias, mas é eficiente. Temos contratos de crise, caso ocorra algum acidente com navio dentro do porto e temos também um plano de contingência que faz parte do controle de inspeções para ações imediatas”.

Área ecológica em torno do porto

Os portos europeus são obrigados por lei a designar 5% de sua área para reserva ambiental. “Esse limite de áreas ecológicas foi estabelecido há mais de 15 anos. Mesmo assim enfrentamos algumas questões ambientais com empresas e com outras organizações. Para responder aos questionamentos temos uma equipe que realiza a contagem das espécies e produz um relatório que é enviado para a União Europeia”, concluiu.

Operações portuárias

O Capitão Jef Van Rossum falou sobre sua experiência em operações portuárias para diferentes tipos de carga e logística de armazenamento. Segundo Rossum, o governo da Bélgica tem como objetivo a redução dos engarrafamentos. Para isso há uma estratégia de investir em transporte ferroviário, o que também reduz a emissão de gás carbônico.

Praticagem e rebocadores

Para Jef Van Rossum, o serviço de Praticagem é um grande desafio para o porto. O modelo belga possui práticos contratados pelo governo e por empresas privadas. “As informações disponibilizadas online para os práticos e para autoridade portuária são atualizadas a cada cinco minutos. Eles recebem em telas de computador a disposição geográfica, informações meteorológicas e a disposição dos navios no canal de acesso”, contou Rossum.

O prático que trabalha para o porto da Antuérpia passa por um treinamento de doze anos, no qual é treinado de acordo com o tamanho do navio. “O tempo é essencial para o alcance de todo o potencial de uso e para lidar com todos os tamanhos de navios”, disse Rossum.

Na palestra Serviços de Rebocadores os alunos puderam conhecer os diferentes modelos de equipamentos de rebocadores utilizados no porto da Antuérpia. O equipamento escolhido é adequado ao tipo de contrato, sempre zelando pela proteção do meio ambiente. O porto belga tem acesso as informações dos rebocadores. O custo para o equipamento dentro e fora do porto também foi assunto da palestra. “Temos sim uma diferença de custo para o rebocador usado no rio e no porto. Para o do rio é cobrado o dobro do que é cobrado pela autoridade portuária. O valor é baseado no tempo e na distância que o navio irá percorrer”, afirmou Rossum.

Participe do 2ª Edição – Seminário Sicro Sinapi: Impactos dos Referenciais de Preço para as Obras de Infraestrutura

Data: 28/11/2014

+ informações

Receba mais informações sobre o seminário.